Vamos falar sobre os suportes!

Olá pessoal, tudo bem?

Bom, hoje eu decidi trazer um artigo para vocês falando sobre uma classe que já sofreu bastante no nexus por falta de opções, mas que tem recebido uma atenção especial ultimamente.
Sim, estamos falando dos nossos queridos suportes!

Em 2017 a classe recebeu dois heróis novos e diversos reworks. O que chama bastante a atenção, é a variedade na jogabilidade que essas mudanças trouxeram para a classe, além do meta voltado em um talento peculiar, que costumava ser bem decisivo na classe: O Cleanse (Purificar).

As polêmicas do poderoso Cleanse

Resumindo um pouco a história, o Cleanse (Purificar) é um talento do nível 7, que estava presente na maioria dos suportes até o ultimo ano. E também, era um talento que costumava decidir o meta, tornando praticamente obrigatória a escolha desse talento nos jogos de alto nível. Os suportes que não tinham esse talento (ou uma variável deles), acabavam ficando de fora das principais escolhas nos jogos do competitivo.

Mas o que faz o Cleanse tão poderoso?

O Cleanse deixa um herói irrefreável por apenas 1 segundo e tem a recarga de uma habilidade heróica. Parece pouco né? Mas imagina o poder que ele tem para salvar um herói de um gank no instante certo, ou então evitar que esse herói seja pego em um CC muito forte como Anel de Gelo da Jaina ou Roda Punk do CTE.
Com jogadores habilidosos, o Cleanse pode virar uma TF com facilidade, tirando a força de inimigos com composições voltadas para o CC.

A resposta da Blizzard

No início do ano, tivemos em um dos QeA com desenvolvedores do reddit um breve debate sobre o Cleanse, onde foi comentado que eles estavam planejando mudanças para diversificar mais as escolhas de talentos no nível 7 dos suportes, tornando o cleanse menos “obrigatório” no meta. E passando alguns meses desde essa declaração, a gente pode ver que de fato, isso está acontecendo.

Para entender melhor como isso está impactando no meta, vamos conferir o que foi trabalhado nos heróis da classe no ultimo ano.

Novos Heróis

De agosto de 2016 até agosto de 2017, tivemos a adição de três heróis com a função de suporte: Auriel, Lúcio e Stukov.
A peculiaridade entre eles? Nenhum deles possui Cleanse! Porém, há alguns talentos ou habilidades neles que podem fazer uma função parecida, de forma mais situacional e diversificada. Isso aliás, virou tendência também nos reworks de heróis.

Vamos conferir um pouco os detalhes desses 3 heróis, para entender melhor cada situação:

Auriel: O arcanjo da esperança é um suporte que, quando combinada com um assassino de dano constante, trás muita cura em área para o time. Suas habilidades dependem apenas da recarga, pois ela não tem mana, utilizando esperança para curar.
Alternativa ao Cleanse: A sua habilidade heróica Cristal de Aegis protege um aliado, deixando ele em um “casulo”. Pode funcionar de forma semelhante ao Cleanse, porém o alvo acaba ficando em uma posição fixa, podendo se tornar uma presa fácil depois que o efeito da habilidade terminar. Basicamente, esse é o único efeito da Auriel contra o CC pesado.

Lúcio: Tem uma áurea de cura ou velocidade de movimento passiva. Seu diferencial está no fato de conseguir manter o time relativamente saudável nas lutas e trazer bastante mobilidade ao time.
Alternativa ao Cleanse: Lúcio possui um talento no nível 20, que ao amplificar sua música, ele REMOVE o CC dos aliados. Isso também trás uma jogabilidade diferente, pois não há como evitar o CC. Porém, o fato de ser um “remove CC” em área é bem interessante e poderoso. MAS, isso acaba acontecendo apenas no nível 20. O que pode acabar sendo tarde demais.

Stukov: Consegue equilibrar bem a alta cura através dos seus patógenos curativos, com um kit de CC muito forte. Silence, duas habilidades heróicas com zoneamento e desacelerações fazem parte do kit básico do herói.
Alternativa ao Cleanse: Stukov não tem uma boa ferramenta para controlar o CC inimigo. A sua arma central está no Zoneamento.

Até os relativos nerfs, esses heróis estavam sendo utilizados com frequência nos campeonato. Tanto a proteção (cura), quanto o trabalho no kit e nas habilidades heróicas dos três heróis compensavam a falta do cleanse, tornando-os viáveis em diversas situações.

Já falamos dos lançamentos de heróis, agora vamos falar dos reworks!

Reworks dos Suportes em 2017

Contando com o mais recente (Tenente Morales) tivemos 5 reworks na classe esse ano. Um numero bem expressivo! Desses 5, apenas 1 herói tem o Cleanse: Uther. Vamos dar uma olhada nesses reworks:

Tassadar (off-suporte): O high-templar recebeu um rework, onde o seu ataque básico foi transformado em uma fonte de CC, além de ter melhorias no arconte e alguns ajustes para torná-lo mais equilibrado. O herói já não possuia o cleanse e continou sem ele.

Tyrande (off-suporte): Tyrande foi a primeira heroína a receber o rework com missões que progridem infinitamente, dependendo da habilidade dos jogadores para tirar o melhor proveito. Ela não tinha cleanse e também não ganhou cleanse após o rework. Porém, ela ganhou um talento que “remove stun” ao curar, além de talentos para redução de dano dos inimigos, que tem ficado mais popular e também ajuda a defender aliados vulneráveis.

Uther: O único que permanece com o Cleanse dessa lista, curiosamente é também o suporte que menos utiliza esse talento! Pós-rework, Uther dá armadura para heróis que são curados por ele. E no nível 7, temos um concorrente que desbancou cleanse e já levou até alguns nerfs pois estava bem forte: Curar heróis que estão com CC aumenta a armadura dada a esse herói para 50% (75% antes do nerf). Isso faz com que o CC dos inimigos tenha bem menos força. Sem falar que a recarga dessa habilidade é a recarga de sua cura, muito menor que os 60 segundos de um Cleanse. Tá aí uma alternativa excelente para a habilidade!

Malfurion: também se tornou um herói recompensador pela habilidade dos jogadores. Até esse rework, ele era o queridinho entre os suportes. Com a remoção do cleanse e sem talentos tão interessantes no nível 7, aliados com alguns nerfs em Sonho do Crepúsculo, Malfurion se tornou uma opção interessante para o forte meta do dual-healer (vamos comentar melhor abaixo), mas como Solo-Suporte ele pode encontrar dificuldades.

Morales: O rework da Morales está no PTR ainda e chega na próxiam terça-feira no servidor oficial. Além de remover a mana da nossa médica (que agora usa energia apenas para curar), tivemos uma mudança na sua passiva e, assim como os outros heróis, uma mudança na árvore de talentos, que removeu o cleanse do nível 7. Porém, Morales recebeu dois talentos no mesmo nível que são mais situacionais: Na primeira opção, Salve-Guarda remove desacelerações e, se fizer isso, terá a recarga reduzida pela metade. Na outra, Salve-Guarda concede o dobro de armadura para alvos atordoados e a duração do escudo é pausada durante o tempo de atordoamento.

Podemos ver que, de uns temos pra cá, o Cleanse está se tornando cada vez menos presente. Contudo, alguns suportes ainda terão variáveis para se proteger do CC de forma mais situacional, enquanto outros não vão ter.
Porém, agora temos suportes para reduzir o dano de inimigos, zonear, controlar desaceleramentos, controlar stun e claro, controlar o CC em geral. Esses nichos acabaram mudando bastante o meta, trazendo o que atualmente está sendo uma das combinações mais fortes: A composição do dual-healer, ou do Hyper Carry.

Meta do Dual-Healer/Hyper Carry

Essa composição é simples: Dois suportes que trazem muita proteção e utilidade, um tank, um solo-laner sólido e um assassino que terá seu poder acentuado na composição. Pronto! Temos o meta do Hyper Carry.

As combinações de suportes estão bem variadas. Quase todos os suportes conseguem se destacar no meta, desde que combinados de maneira correta.
Por exemplo: Se o time inimigo estiver com CC muito forte e burst-damage, não é sábio pegar um dual-sup de Lúcio e LiLi, por exemplo.

Se acompanharmos as HGCs do EU e NA, veremos que essas composições estão bem populares. Os times acabaram adotando essa alternativa para lidar com essas mudanças e trabalhar sem o suporte “OP” do meta, trazendo algo sólido da mesma forma.
Isso não significa que não veremos mais o unico suporte, não! Em diversas situações os nossos healers conseguem efetuar o papel deles solo. Porém, se tratando de nível competitivo, o meta do duplo suporte está em alta. E isso é um reflexo as mudanças que tivemos nesse ano. Além de trazer vários suportes para o Meta, os reworks trouxeram outras forças além da cura, distribuindo os heróis da classe para atender diversas necessidades específicas.
Outro fato interessante, é que alguns suportes que tinham o Cleanse mas estavam abaixo no Meta acabaram voltando com essas composições de duplo suporte, como a Asaluz por exemplo.

Bom, depois de todas essas informações sobre o meta, reworks e novas adições, percebemos que nossos suportes estão se dividindo em nichos, acentuando a força deles em situações específicas. Dessa forma, vamos dar um overview da classe:

O Nicho dos Suportes

Malfurion: está causando um dano considerável para a classe, além de ter um kit utilitário, com algum CC, reposição de mana aos aliados e redução de dano. Sua cura tem que ser bem gerenciada, pois não tem um burst heeal e não tem proteções contra CC.

Uther: está com foco em proteção e utilidade, sendo o melhor suporte contra composições de forte CC. Gerenciar as altas recargas de Uther e a armadura de sua passiva é um desafio para torná-lo forte.

Lúcio: é uma boa escolha contra composições de poke, mas não tem um Burst Heal tão alto e nem proteção contra CC. A mobilidade que ele trás ao time pode ser uma ferramente importante a ser explorada.

Stukov: tem muito CC, zoneamento e cura relativamente alta. Porém, pode sofrer contra composições de CC forte, principalmente contra ele próprio, reduzindo drasticamente o potencial de cura da sua especialização.

Asaluz: não consegue ter um burst-heal e, dependendo da composição, precisa ficar exposta para curar. Porém tem um kit de proteção e zoneamento interessante. Além de ter um deslocamento global e ainda possuir cleanse.

Kharazim: combina bem com composições de dive, trazendo cura em área, mobilidade e proteção, além de dano considerável. Com talentos, sua arremetida deixa um aliado irrefreável, porém pode deixar Kharazim mais exposto. Ainda assim, pode ser muito interessante contra o CC inimigo. Porém, acaba sendo uma opção menos interessante para times que não lutam próximos.

Rehgar: também combina bem em composições de dive, tem uma cura constante e dano razoável. Sua mobilidade é um diferencial, porém pode sofrer um pouco para ficar na frontline em alguns casos. Continua com o Cleanse.

Morales: tem uma cura single-target muito alta, com zoneamento na sua granada e algumas alternativas contra desaceleração ou stun. Combina bem com heróis de dano físico, mas não tem um kit muito utilitário.

Auriel: combina bem em composições com dano constante, onde ela sempre está com energia. Tem uma boa proteção com o Égide de Cristal e um pouco de zoneamento. Não combina muito bem em composições de muitos divers, onde pode dificultar o uso de sua cura em área, perder o alcance do herói com a coroa (dificultando a geração de energia e, consequentemente a cura), além de ficar exposta caso tenham muitos heróis assim no seu time.

LiLi atualmente ela está funcionando de forma razoável apenas com duplo suporte, combinada com heróis como a Cássia, que tem bônus de dano para heróis cegados. Também tem força contra heróis de dano físico, além de causar um dano considerável para a classe e ainda tem no seu kit o famoso talento.

Tyrande: Usada apenas em duplo suporte. Tem bom CC, capacidade de redução de dano dos inimigos e tem dano absurdo. A utilidade de seu kit é muito grande, com quebras de armadura, visão em área e etc. Não tem cura suficiente para manter o time saudável sozinha.

Tassadar: Usado apenas em duplo suporte. Tem boa proteção com escudos, dano considerável e um kit muito utilitário. Não consegue manter todo o time saudável sozinho.

Não são suportes, mas podem ser considerados como:

Medivh: Muita utilidade para o time, com deslocamento dos portais, visão dos inimigos e proteção.

Abathur: Consegue dar visão para o time, além de avançar muito bem as rotas com sua passiva. Sua utilidade com a simbionete é muito grande e pode acentuar bem heróis com bom dano físico que atacam de perto, como Illidan.

Zarya: Um pouco abaixo no meta, ela pode ser usada como alternativa ao Tassadar, com bom zoneamento nas suas habilidades heróicas e bastante Poke, além de proteção.

 

ObservaçãoOs heróis que estão em itálico, são os que ainda tem cleanse no seu kit.

Podemos ver que as opções são bem variadas, não é mesmo? Ainda temos alguns heróis viáveis como Solo-Healer em qualquer composição, mas deixa um pouco mais dificil de manter o equilibrio nesses heróis, para não trazer uma disparidade tão grande. Com isso, heróis que desempenham bem essa função (Como Uther e Auriel), tem tomado alguns nerfs para manter o equilíbrio tanto durante as partidas como Solo-Healer, quanto em composições de Hyper-Carry também.
Parece bobagem, mas o poder de um talento acabou mudando completamente o nosso meta!

E vocês, o que acham desse novo rumo para os suportes?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Nuno

Um tank que gosta de se aventurar como suporte. Apesar de ser um NoobAssassin curte as magias das trevas de Gul'Dan, mas é main mesmo de Murky. Um eterno aprendiz no Nexus que está a espera novidades em Tristam e por vezes gosta de "Noobar" um pouco no Overwatch.

  • thelinuxlich

    Zarya tem uma variante de cleanse tb!

    • Nuno

      Na verdade, se não me falhe a memória, seria um auto-cleanse. Como o do Garrosh, por exemplo. Eu acho que o irrefreável é apenas para o escudo dela.

    • Nuno

      Mas bem observado!
      Os heróis com auto-cleanse também estão ficando mais comuns.

Hide Offer Show Offer